Das delicadezas do amor

Um acúmulo bonito de coisas que não consigo nem mostrar.

2 de julho de 2010

Querida Karen,
Se está lendo isso é porque eu tive coragem de mandar. Bom pra mim.
Você não me conhece muito bem, mas se deixar, tenho tendência de falar que tenho dificuldades para escrever.
Mas isso... É a coisa mais difícil que já tive que escrever. Não há maneira fácil de dizer, então vou falar logo.
Conheci uma pessoa. Foi um acidente, eu não estava à procura. Foi uma tempestade perfeita. Ela falou algo, eu também. Quando vi, queria passar o resto da minha vida nessa conversa.
Agora estou com a intuição de que ela pode ser a mulher certa. Ela é totalmente louca, de um jeito que me faz sorrir, altamente neurótica. Exige uma grande quantidade de renovação.
Ela é você, Karen. Essa é a boa notícia.
A má é que não sei como ficar com você nesse momento. E isso assusta pra caralho. Porque se não ficar com você agora, sinto que nos perderemos.
O mundo é grande, mal, cheio de reviravoltas. As pessoas costumam piscar e perder um momento. O momento que poderia mudar tudo.
Não sei o que está acontecendo entre nós, e não sei por que deveria gastar seu tempo comigo. Mas como seu cheiro é bom! Como o lar. E você faz um ótimo café, isso tem que valer alguma coisa.
Me liga.

Seu infiel,
Hank Moody
.

Um comentário:

  1. É, eu conheço isso. E você, cheira a lar sim, minha pequena.

    ResponderExcluir